Quem foi Santiago de Compostela?

Santo ou Guerreiro?

 Nasceu na Palestina, era pescador até o dia que Jesus o convocou a ser apóstolo juntamente com o seu irmão João Batista. Portanto, foi um dos doze apóstolos de Jesus, e muito próximo, por isso chamado Tiago – O maior.

Além disso, é conhecido, sobre tudo na Espanha, como Santiago Mata-Mouros (patrono da Espanha e dos Cavaleiros), por seus “milagres” e feitos durante os embates ocorridos entre os reinados católicos e os muçulmanos no século IX.

Porém, diante de tantos “São Tiagos” em um só, o mais famoso de todos é o Santiago de Compostela.

Como foi que o jovem apóstolo se transformou em tantas lendas e amealhou devotos em todo o mundo?

 Após a morte de Cristo, Santiago, o Maior, pregou o Evangelho na Hispânia (Península Ibérica), e tendo regressado a Jerusalém sofreu o martírio e foi morto. Depois, teria sido trasladado, por mar, para Iria (atualmente cidade de Padron, na Galicia). Atanásio e Teodósio, seus seguidores, chegaram a costa da Galícia na região chamada Finis Mundi, hoje Finisterra, e logo depois em Iria Flávia (Ria de Arosa), núcleo castrejo onde vivia a Rainha Lupa, suplicaram-lhe para deixar sepultar o seu amigo.

Posteriormente, segundo refere a tradição, o eremita Pelayo explicou ao Bispo Teodomiro de Iria que durante a noite tinha observado resplendores que partiriam da pequena capela. A paisagem, em certos momentos, ficava tão clara que se parecia a um campo estrelado (Campus Stellae = Compostela). O Bispo foi, então, com uma numerosa comitiva e encontrou num sepulcro de mármore as “relíquias” do Apóstolo.

O sensacional e miraculoso achado foi comunicado pelo Bispo ao rei astur-leonês Afonso, o casto (789-842), que logo fixou a pedra da primeira igreja dedicada ao Apóstolo. Não demorou para que a boa nova, comunicada por Afonso ao próprio Carlos Magno, circulasse como um raio pelo Império do Ocidente, abrindo caminho para que se dessem os milagres


Santiago de Compostela é o destino de brasileiros na Semana Santa de 2018.

Farão o Caminho Francês a cavalo.

Procure saber! Venha conosco!

[email protected]


 Os milagres e feitos de Santiago de Compostela

Conta a história, também envolvida em lenda, que no século nove na Península Ibérica dominada pelos Mouros, existia um imposto chamado “ O Tributo da Cem Donzelas” decorrente de um acordo de não agressão pelos Sarracenos e seus antecessores com os Reis das Astúrias. Ocorre que o Rei Ramiro I, em 844, se negou a continuar acatando esse tributo que ordenava que os Reis das Astúrias deveriam enviar anualmente a Córdoba (sede do reino Sarraceno) cem donzelas, sendo 50 de origem nobre e as outras plebeias.

Naquela mesma noite, em sonho, Santiago apareceu a Ramiro para anunciar que no dia seguinte iria lutar junto a ele contra os Mouros.Envergonhado, Ramiro I resolveu acabar com aquilo e formou um exército poderoso para atacar os Sarracenos. Lançou-se contra eles em Albelda (Logroño), porém, sofreu uma derrota tão dura que teve que se refugiar a 17 quilômetros dali, em Clavijo, com os poucos homens que restaram.

Eis o anúncio:

“Nosso Senhor Jesus Cristo repartiu todas as províncias da terra entre os apóstolos, e me deu a Espanha para que eu a protegesse. Rei Ramiro, reza e seja bem forte e firme em suas ações! Sou Santiago e digo em verdade que tú vencerás amanhã esses Mouros com a ajuda de Deus”.

Mesmo esgotado, o exército cristão lançou-se contra os mouros sem temor, convencidos da vitória, garantida pela presença de Santiago junto a eles, anunciada pelo rei.

A batalha começada, já parecendo perdida, eis que surge um cavaleiro desconhecido, em cima de um cavalo branco, portando um resplendor e brandindo uma espada de prata. Em um pestanejar, sua espada decapitou dezenas de milhares de inimigos de uma só vez. Daí – Santiago, Mata-Mouros.

Protetor oficial da Espanha

Foi então, promovido por Ramiro I a protetor oficial da luta contra os mouros a quem toda Espanha devia obrigações. Esse foi o primeiro relato de interseção do santo em batalhas na Espanha, mas não o último. Multiplicaram-se em toda a Península a ocorrência de “ajuda” do Santo em entraves dos cristãos contra os Mouros. A lenda se mistura com a história oficial quando uma interseção de Santiago aparece no Códice Calixtino, onde descreve a ajuda do santo a Fernando I na Batalha de Coimbra, 1064 – A Reconquista.

As primeiras peregrinações

As primeiras peregrinações começaram a partir do século XI, nomeadamente dos reinos da Galícia e Astúrias, mas em pouco tempo a cidade de Santiago de Compostela começou a atrair viajantes e peregrinos de outros reinos cristãos. O percurso é o mesmo feito pelo imperador do Ocidente Carlos Magno, São Francisco de Assis, os reis católicos na Idade Média e milhares de pagadores de promessa que partiam de várias regiões da Europa em direção ao local onde estão guardados os restos mortais do apóstolo Tiago.

Peregrinação e Fé

O Caminho de Santiago é uma das três principais rotas de peregrinação cristã (as outras duas são Roma e Jerusalém), e percorrê-la tem sido um encontro com os primeiros símbolos do cristianismo, consigo próprio, com a natureza do lugar, com a história e a bela arquitetura dos antigos burgos medievais europeus, especialmente a Espanha. A Santiago de Compostela coube o privilégio de ter sido, ao longo de todo o segundo milênio, a grande rede viária europeia por onde correu a pregação dos ensinamentos de Cristo a partir do século IX.

São Tiago Santiago

Por ele passaram multidões de gente anônima, caminhantes, viajantes, almocreves, mercadores, feirantes e peregrinos, mas também, reis, nobres, santos e clero. Não dispondo de outro meio de locomoção, a grande maioria se deslocava a pé, enquanto os membros da nobreza e do clero usavam do cavalo para montaria.

Depois de vários séculos esquecido, devido às muitas conturbações vividas no velho continente, como guerras, fome, peste, más colheitas, secas – apesar de muitos peregrinos continuaram a acorrer ao túmulo do apóstolo para cumprir a sua penitência -, desde a década de 80 do século passado (XX) o Caminho voltou a ter uma grande afluência de peregrinos e turistas. Foi declarado Primeiro Itinerário Cultural Europeu em 1987 e Património da Humanidade (na Espanha em 1993 e na França em 1998).


Veja o que já foi publicado sobre – O Caminho de Santiago de Compostela a Cavalo:

Caminho Francês de Santiago de Compostela Santiago de Compostela – Branca Octaviani – Peregrina a Cavalo Santiago de Compostela – Bruna e Rodrigo Cunha – Alegria Peregrina Compostela – Peregrino a Cavalo O Caminho e Destino de Santiago de Compostela a Cavalo

 

Anterior O Caminho e Destino de Santiago de Compostela a Cavalo
Próximo Santiago de Compostela a Cavalo - Responsáveis

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 212 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Tropeiros da Fé 2 Comentários

Fazer o que gosta e amar fazer “bem feito”!

Ninguém é perfeito, e o caminho para quem gosta de fazer bem feito não é um dos mais fáceis. Exige vontade, persistência, resistência e uma grande dose de teimosia. Não foi uma nem duas vezes que juntos, ou em separado, percorremos os caminhos do Sul de Minas e do Vale do paraíba, de carro e a cavalo, buscando a melhor forma, e a trilha mais atrativa e segura para os nossos clientes.
Conseguimos! O caminho ficou show!

Treinamento para Passeios e Cavalgadas

O treinador não prepara o cavalo pensando em si, mas em qualquer pessoa, incluindo os leigos em equitação.

Fotografia 2 Comentários

Viajar a Cavalo – Colômbia – Filme

Em maio de 2015 fui a Colômbia fazer uma Viagem a Cavalo. Fiz parte do terceiro grupo internacional a fazer Viagem a Cavalo na Colômbia!
Por que Colômbia?
Primeiro por ser a terra do cavalo Paso Fino que sempre me encantou. E depois por ser um país muito rico em belezas naturais, diversidade de cenários, arquitetura, história e costumes.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!