Viajar a Cavalo, Luiz Otávio Carneiro, é a sua Paixão!

Viajar a Cavalo, Luiz Otávio Carneiro, é a sua Paixão!

paixão

Foto: Luiz Otávio Carneiro

paixão

Foto: Luiz Otávio Carneiro

paixão

Foto: Luiz Otávio Carneiro

 

 

 

 

 

 

Entrei em contato  com Luiz Otávio Barbosa Carneiro pela primeira vez através de sua história. Pesquisando para iniciar um trabalho editorial para a qual havia sido convidada – Cavalgar, é a Nossa Paixão, deparei-me com a sua proeza de ter feito a Rota Pioneira do Pantanal, caminho pelo qual passou o seu tri avô, no século dezenove, para chegar em terras onde se estabeleceu com seus familiares para fundar raízes onde hoje é conhecida como Nhecolândia – Terras dos descendentes do senhor Nheco, como era conhecido o tri avô de Luiz Otávio.

Foto: Luiz Otávio Carneiro

Foto: Luiz Otávio Carneiro

Aí ele começou a fazer parte da história desse livro, e também, eu comecei a entrar na sua história. Através de trocas de email com seus depoimentos e muitas respostas as minhas perguntas, pude, pouco a pouco, construir o seu perfil e narrativa para apresentar o homem por trás de várias paixões – O cavalo e o Pantanal – não necessariamente nessa ordem.

Veja a narrativa que eu construí a respeito da figura e dos feitos de Luiz Otávio!

Levou a paixão por cavalgar ao extremo porquê – Percorreu o “caminho dos pioneiros “papabananas”, que harmônica e heroicamente, colonizaram a vasta Planície Pantaneira, principalmente a região da Nhecolândia”.

 

A história de Luiz Otávio, filho de Otávio Carneiro, remonta os idos de 1878 quando o seu tri avô Joaquim Eugênio Gomes da Silva, apelidado de Nheco, recém-casado, viajou para Corumbá onde seu pai, o Barão de Vila Maria, foi possuidor de grandes posses até a invasão paraguaia em solos brasileiros. Após verificar que nada havia para herdeiros, resolveu atravessar o Rio Paraguai e assentar-se em sua margem esquerda em terras que fossem firmes o ano inteiro, porém desprezadas pelos credores.

Atravessou o rio, sondou as terras e, enfim encontrou um local que denominou de Fazenda Firme, no ano de 1880. Após fundar a fazenda que seria a célula inicial de toda Nhecolândia, Nheco sentiu-se isolado e sem camaradas de confiança, então, iniciou sua jornada de convites regulares e sucessivos a seus cunhados que moravam na região de Livramento. Foi dessa forma que em 1885 seu cunhado João Baptista de Barros aceitou o convite sendo seguido anos depois pelos irmãos Gabriel Baptista de Barros e José de Barros, além de sobrinhos, primos e outros parentes.

Quem é Luiz Otávio?

“Médico veterinário por formação e estudante informal de história por paixão”, Luiz Otávio, tri neto de Nheco – seu bisavô, Paulínio Gomes da Silva foi o segundo filho dele – resolveu refazer o caminho histórico dos pioneiros fundadores de uma das mais importantes regiões do Brasil com o objetivo de homenageá-los e fazer uma fotografia atual com um olhar diferenciado para o homem pantaneiro e a preservação das tradições culturais de toda essa região. E mais, depois de chegar a Fazenda Firme, onde seu Nheco se estabeleceu, seguir na direção leste através das principais fazendas da Nhecolândia até onde “a nossa gente alcançou”, aos pés da serra que delimita essa parte da região.

Em dezembro de 2012, após 43 dias de uma jornada individual com o auxílio de dois cavalos de raça Pantaneira, um cachorro, um burro cargueiro materiais de apoio e não deixando de levar “o alforje munido com bermudas e roupas de lã, um poncho de leite de mangaba, um chapéu de palha de carandá, um porongo de água fria, uma cuia de mate quente e um sapicoá de guaraná, porque na caminhada iremos pegar sol de rachar, frio de tremer, água de nadar, sede de gemer, vento de secar e chuva de encher”. (Cassio L. de Barros), atingiu a sede da Fazenda Firme, cumprindo a primeira etapa de sua viagem.

A segunda etapa foi iniciada e finalizada em janeiro de 2013 e, foi percorrida em 21 dias.

Quando perguntado sobre as razões para empreender essa jornada, lembra de uma frase de Bob Iger é importante respeitar o passado, mas não o reverenciar. Quando reverencia o passado, você se escraviza. O segredo está em apreciar o legado de quem o criou, entender quais foram os ingredientes cruciais para o sucesso e carregá-los para o futuro, sem permitir que sejam obstáculos para as transformações necessárias.

Luiz Otávio um dia saiu do Pantanal, mas o Pantanal jamais saiu do coração dele

De certa forma, essa empreitada traz significado a um ciclo da vida de Luiz Otávio cheios de idas e vindas ao Pantanal. Desde quando levou seu primeiro tombo do cavalo aos quatro anos de idade na fazenda do seu pai, a mudança para o Rio de Janeiro onde foi morar e estudar, o estranhamento do caipira com a cidade grande, a saudade dos cavalos e “coisas” do Pantanal, a faculdade de veterinária, até o seu retorno definitivo a sua terra e sua gente, onde pôde trabalhar em atividades em torno do mundo equestre e tradições pantaneiras.

Hoje, administra uma fazenda de pecuária na região da Nhecolândia, cria cavalo Pantaneiro e em suas férias realiza cavalgadas pela região.

No carnaval de 2014, Luiz Otávio, foi homenageado pela escola de samba Mocidade da Nova Corumbá que entrou na avenida com o enredo “A Saga do Cavalo Pantaneiro” contando a trajetória de Nheco revivida por ele.


Luiz Otávio é uma da 33 pessoas que foram convidadas a fazer parte do Livro – Cavalgar, Nossa Paixão.

Jacira Omena é co editora, co autora e co redatora deste livro.

Anterior Viajar a Cavalo, Verena Matzen, é a sua Paixão!
Próximo Viajar a Cavalo, Amazonas Sem Fronteiras, é a sua Paixão!

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 208 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Cantares do Tropeirismo

“Cantares do Tropeirismo” – de Carlos Solera – relata a saga de um jovem gaúcho que deixa o lar para juntar-se a uma comitiva de tropeiros e seguirá com ela até Sorocaba, onde os animais serão vendidos na Feira de Animais.

Sela & Cia Leia e comente!

Com Que Mala Ir?

Em muitas viagens que faço, e principalmente aquelas a cavalo, encontro problemas e reclamações de todos os lados devido a malas e bolsas inadequadas a situação da viagem. Pelo tamanho, peso, material e forma.

Textos Editoriais Leia e comente!

Precisa ter Experiência para Viajar a Cavalo?

Quando pensam em uma Viagem a Cavalo, logo vem a cabeça muitas perguntas que geram uma certa insegurança em relação a sua própria capacidade de participar de uma atividade como essa.
Uma pergunta frequente é sobre o nível de experiência em equitação exigido nesses tipos de programas.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!