Cavalo Selvagem – Sentimentos a Cavalo

Eliakin Rufino

Cavalo Selvagem

eu sou cavalo selvagem

não sei o peso da sela

não tenho freio nos beiços

nem cabresto

nem marca de ferro quente

não tenho crina cortada

não sou bicho de curral

eu sou cavalo selvagem

meu pasto é o campo sem fim 

para mim não existe cerca

sigo somente o capim

eu sou cavalo selvagem

selvagem é minha alegria de ser livre noite e dia

selvagem é só apelido

meu nome é mesmo cavalo cavalo

solto no pasto veloz carreira que faço

lavrado todo atravesso caminhos no campo eu traço

eu corro livre galope

transformo galope em verso

eu sou cavalo selvagem

sou garanhão neste campo

eu sou rebelde alazão

sou personagem de lendas

sou conversa nas fazendas

sou filho livre do chão

eu sou cavalo selvagem meu mundo é a imensidão

Anterior Mangalarga - Mineiro ou Paulista?
Próximo Santiago de Compostela - Entrevista Joselice Valiati

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 326 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Tropeirismo Leia e comente!

Início do Tropeirismo no Brasil

Com a descoberta do ouro em Minas Gerais por volta em 1.693, o mesmo processo de transporte dos minérios que já havia acontecido em território castelhano, começou a ocorrer aqui, agora com destino aos portos paulistas e fluminenses, com objetivo de embarque para Lisboa.

Colômbia – Quase Acabando

Depois de passar por dois distritos de Colômbia, Cudinamarca e Boyaca, estamos no ultimo dia da viagem. Devido a falta de sinal de internet, não foi possível enviar informações dia a dia.

Passeio a Cavalo no Campo

Já estava acostumava a só ficar rodando a cena, tirando uma foto aqui outra acolá, lembrando mesmo dos tempos em que era eu, e “outras crianças”, agora já bem crescidas, que cavalgava por ali a fora.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!