Viajar a Cavalo, Mozart Brandão, é a sua Paixão!

Conheci Mozart primeiro pelos seus feitos!

Havia levado a sua paixão por cavalgar ao extremo por ter feito e refeito história ao restabelecer a Rota do Imperador junto com o seu grupo Expedicionários de Alagoas.

Sugeri o seu nome ao outro editor do livro, por Mozart ser um verdadeiro representante da tradição do meu Nordeste em seu convívio ancestral com os cavalos, seus costumes e orgulho por sua terra.

Convidei-o para um café para através de uma conversa, conhecer um pouco mais sobre Mozart, e aproveitar para convidá-lo a escrever para a minha página viajaracavalo, na qual ele tem uma coluna.

Mozart é um entusiasta de viagens a cavalo, profundo conhecedor de cavalo e treinamento deles para todo tipo de expedição. Uma das pessoas mais preocupadas com o bem-estar animal que já conheci – Sua Jabulani  e Hymalaia que os diga. Fez dessa paixão quase uma religião.

Costuma sair “por aí” em expedições autônomas, sempre em boas companhias, para fazer o que mais gosta – Cavalgar e prosear com amigos.

Escrever a narrativa de Mozart para o livro, foi quase um passeio, pois ele me entregou o “seu texto” quase pronto sobre a sua aventura com os Expedicionários pelos Caminhos do Imperador nas terras de Alagoas.

Muitas Viagens a Cavalo na sua vida, Mozart! (Mas, não se esquece da tua coluna na viajaracavalo!)

Vamos viajar através da paixão de Mozart!

 

Conhecido como o Imperador viajante, Dom Pedro II fez inúmeras viagens pelo interior do Brasil, quase sempre sobre o lombo de um cavalo. Hoje, são conhecidas como Rota ou Caminhos do Imperador. Existem muitas pelo Brasil a fora, como as dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espirito Santo. Na região do Baixo São Francisco, rio que corta os estados de Alagoas, Sergipe, Pernambuco e Bahia, aconteceu mais uma viagem do Monarca.

Com o intuito de valorizar e impulsionar o desenvolvimento das províncias do nordeste do Brasil, Dom Pedro percorreu toda essa região visitando a população ribeirinha.

No trecho conhecido como Rota do Imperador em Alagoas, o Imperador descansou e pernoitou nas cidades ribeirinhas de Piaçabuçu, Penedo, Porto real do Colégio, Traipú, Pão de açúcar e Piranhas.

Mozart, Expedicionários e a História do Brasil

Esse caminho foi refeito entre os dias 27 de maio e 03 de junho de 2011 por dezenove cavaleiros conhecidos como Expedicionários de Alagoas, do qual faz parte Mozart Barros. Cento e cinquenta anos depois, foi revivida a história do Brasil colonial através de 270 quilômetros percorridos pelo mesmo trajeto de D. Pedro II registrado em seu diário de viagem, no ano de 1859.

Segundo Mozart, ao fazer essa jornada, o grupo pôde presenciar e vivenciar a cultura ribeirinha, tal e qual o Imperador, e alertar para a degradação acentuada do “Velho Chico”.

Sobre a viagem em si, diz – Já participei de incontáveis cavalgadas, porém, asseguro que igual a essa jamais farei novamente. Continua – Nenhuma foi tão rica em história, cultura e preciosa beleza, nem tão prazerosa.

Narra parte do que experimentou da seguinte forma: “Lugares atrativos e de raro encanto. Relevos marcantes e de belezas indescritíveis. Sob sol, chuva, relâmpagos e bofetadas de trovão, passamos por pastagens, trilhas fechadas e estradas vicinais. Cruzamos riachos; embarcamos os cavalos em balsas através de rios; subimos e descemos morros e serras. Passamos por sete cidades, alguns distritos, vários povoados e sedes de fazendas. Quantas emoções”!

Inesquecível mesmo foi a chegada a cidade de Piranhas, ponto final da viagem. “Os cavaleiros da região começaram a aderir a comitiva, e a cada encruzilhada apareciam pequenos grupos de vaqueiros, muitos com seus trajes típicos de couro. Foram incontáveis cavaleiros e vaqueiros que chegaram a cidade em uma formação de três que se perdia de vista. ”

 

“Mas, marcante mesmo foi o companheirismo, a amizade e sobretudo o respeito reinante entre todos”, reforça Mozart.

E é com esse espirito que Mozart Barros continua explorando a região em cima do lombo do cavalo sempre em boas companhias. Não falta assunto nas reuniões dos Expedicionários de Alagoas que estão sempre planejando novas empreitadas.


Mozart Brandão Barros é uma da 33 pessoas que foram convidadas a fazer parte do Livro – Cavalgar, Nossa Paixão.

Jacira Omena é co editora, co autora e co redatora deste livro.


Viajar a Cavalo é a Paixão das Amazonas Sem Fronteiras
Anterior Viajar a Cavalo, Amazonas Sem Fronteiras, é a sua Paixão!
Próximo Santiago de Compostela - Programação Dia a Dia

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 326 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Os Cavalos da Gruta de Lascaux

Lascaux é um complexo de cavernas ao sudoeste de França, famoso pela suas pinturas rupestres.
A disposição da caverna, cujas paredes estão pintadas com bovídeos, cavalos, cervos, cabras selvagens, felinos, entre outros animais, permite pensar tratar-se de um santuário.

Guias e tutoriais 1 Comentário

Cinco Rédeas da Equitação

A Equitação tem aproximadamente seis mil anos e, nesse tempo todo, muita coisa se descobriu e se desenvolveu sobre o uso das rédeas.
Entre outras possibilidades de temas abordando rédeas teríamos “Rédeas Auxiliares”.
O que são rédeas auxiliares?
Não são rédeas de comando propriamente ditas e sim rédeas que auxiliam no posicionamento da cabeça do cavalo ou na prevenção e na correção de problemas.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Qual a média das idades dos participantes de Viagens a Cavalo?

Descobri muito cedo quando comecei a fazer viagens a cavalo, que era melhor eu ignorar essa pergunta.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!